quarta-feira, 20 de julho de 2011

Chá da Tarde... Lúcia Sauerbronn

Julho - mês de férias... aproveitando para fazer cursos e melhorar meu curriculo profissional...

Entre uma viagem e outra encontro um tempinho para reler alguns livros... decide reler as crônicas da Lúcia...

Compartilhando com meus amigos, no Dia do Amigo: a minha juventude foi mais ou menos assim:

Um Encontro

Ele estava coberto até as orelhas... estranhei os óculos que escondiam os belos olhos de um azul profundo. Havia também alguns fios de cabelos a menos, mais marcas em torno da boca e da testa. A postura parecia levemente arqueada, o passo mais lento. Mesmo assim não pude deixar de reconhecê-lo...como é que eu poderia esquecer "aquele modo só seu de andar, que tanto agradava as pequenas mulheres do meu tempo"?

Não pude evitar que meu coração acelerasse...

Talvez as mulheres confessem menos. Mas os homens estão cansados de se referir, cheios de saudade, a esse amor precoce.

Qual de Nós não amargou uma paixão por um professor do ginásio?

Até conhecê-lo, eu tinha sido uma nulidade em matemática, acumulando tantos vermelhos e amarelos que o meu boletim mais parecia um semáforo. Por isso meus pais não cansavam de elogiar as qualidades do tal professor... mal sabiam eles que era a simples vontade de agradar ao primeiro amor.

Acontece que o objeto da paixão era compartilhado com centenas de outros corações amargurados, que suspiravam entre raizes quadradas e regras de três...corações que esperavam ansiosas pelo intervalo das aulas para gastar o tempo na janela da sala dos professores, apenas para vê-lo beber o café em pequenos goles. Ao toque do sinal, todos saíamos em disparada para conseguir um lugar ao longo do corredor para vê-lo desfilar, sério, entre a pequena multidão de professores. Trazia sempre os livros numa das mãos; na outra, segurava o cigarro para a última tragada, antes de entrar na classe.

Seu nome estava sempre presente em nossa conversas nas filas, nos banheiros e na cantina. E não só porque ele era um dos pouquissimos representantes do sexo masculino naquela escola de mulheres. Havia também um professor de português, empolgado demais, outro de história tão amigo que podia ser confundido com um tio querido... naquele Homem havia alguma coisa de especial e misteriosa... talvez estivéssemos apaixonadas pelo jeito contido com que cumprimentava a todas, despertando em cada uma o desejo de receber uma atenção especial.

Contudo, em nenhum momento ele alterou aquele meio sorriso, dando a impressão de que todas desfrutávamos das mesmas remotas chances. Todas as manhãs, ao entrar na classe, ele apagava a palavra matemática ... nos divertiamos apostando se ele seria capaz de descobrir quem tinha feito a arte, o que na verdade era impossivel: cada letra era cuidadosamente desenhada por grupos que se revezavam a cada nova aula. Criatividade de adolescentes apaixonadas.

Essa paixão era uma brincadeira gostosa com que recheávamos os dias á espera de que o amor palpável surgisse em forma de principe encantado, como era costume sonhar naquela época.

Nosso professor sabia que ocupava lugar precioso, inesquecivel em nossa transformação de meninas em MULHERES... e o amávamos em conjunto porque era idolo inascessivel, como seriam depois os Beatles, Roberto Carlos e Mick Jagger. Era bonito ter um Amor Platônico.

Três décadas se passaram até aquela tarde em que o reencontrei... sozinho, acessivel, passeando tranquilo pelo centro da cidade. Num impulso, atravessei a rua para trocar um abraço com o passado. Pensei que fosse divertido relembrar antigos fatos, situações, pessoas, perguntar se em algum momento ele se dera conta da dimensão que tomara o nosso amor em massa. Mas, a um passo de distância, apenas fiz um leve aceno de cabeça, que ele retribuiu com a mesma gentileza, meio espantado.

Fiquei algum tempo matutando sobre a minha falta de coragem. Achei primeiro que foi por medo de que não me reconhecesse: cresci, envelheci... e trinta anos modificam muito a feição de uma mulher...

Depois pensei que, mesmo depois de tantos anos, eu ainda guardava respeito por sua postura de professor...

Ou, quem sabe, porque os povos antigos ensinavam que um verdadeiro idolo jamais deve ser quebrado."

Compartilhando ...

FELIZ DIA DO AMIGO






sábado, 25 de junho de 2011

"A sensibilidade comanda o meu julgamento"

Pensamentos extraidos do livro: "O que realmente importa"

“Cada minuto de vida é um minuto a menos e não um minuto a mais.

Mal nascemos e já começamos a morrer.”

Anderson Cavalcante


Viver não é apenas passar pelo mundo. É ouvir o seu próprio Ser. Deus criou cada ser humano para Ser Único. Cada um tem um ritmo diferente de batimento cardíaco, assim como tem um desenho único da íris e da impressão digital, que nos diferencia e nos define, mesmo que não reconheça. É preciso fazê-lo vir a luz.

Cada um possui a sua missão de vida. Não existe modelo de felicidade. Cada um de nós precisa confeccionar em seu dia-a-dia, o modelo que deseja vestir na vida.

Portanto, a vida só vale a pena quando temos algo maior que nos impulsiona a ir além. Isto significa a essência do que Vc é e deseja está dentro de Vc. Ao encontrar a sua verdadeira vocação, a sua voz interior , estaremos mais perto da nossa realização pessoal. Cada um de nós tem mecanismos para sintonizar esta frequência que vem do coração e ecoa por toda a alma.

Viver uma vida com plenitude significa estar por inteiro no que está fazendo; é se empenhar para estar verdadeiramente presente nas coisas que Vc faz e não estar apenas fisicamente presente, ficar atento e fazer o possível para aprisionar esse momento, se apropriar destas sensações e não deixar escapar das suas mãos e assim construir a nossa cumplicidade.

Conheço pessoas que possuem dinheiro e pessoas que são possuídas por ele. O dinheiro deve ser consequência de um excelente trabalho que me traga coisas que eu gosto e não que me tire das coisas de que eu gosto , que me tire o conhecimento, saúde, e pessoas que EU AMO... que me deixa segura, que não me aprisiona.

Todos nós possuímos um talento e precisamos nos apropriar dele. O conflito e a insegurança são sentimentos que fazem parte da nossa vida. É possível enfrentar eventuais adversidades sem desespero.

Sinto que estou vivendo um momento único: me sinto diante de uma fonte de águas cristalinas, que me atira para a minha vocação e meus desejos, e isto me dá a coragem necessária para enfrentar os conflitos e adquirir confiança em minhas decisões.

Aprendi ao longo da minha vida que Doenças são palavras não ditas. Se Vc não é capaz de dizer a verdade a si mesmo, correrá um serio risco de somatizar essa sensação e ficar doente.

É preciso agir de acordo com a voz do seu coração. Aprender a sentir com a cabeça e pensar com o coração.

"Um partido amplo de visão não acontece onde as pessoas sentem-se limitadas

no seu relacionamento; a visão centrada em si mesmo naturalmente limita um

olhar descompromissado, capaz de enxergar outras facetas fora do seu mundo

particular.

Ambientes onde há uma cultura de cooperação, ou seja, onde as pessoas

gostam de ajudar e de receber ajuda, admitindo que isso não seja uma forma

disfarçada de aproveitamento, permitem liberdade de expressão".


Os valores são importantes para formar o chão em que a semente da missão deve ser plantada.

Eu sei o que desejo realizar de mais extraordinário na minha vida e vou conseguir plantar uma semente desse desejo em cada atitude do meu dia a dia e aproveitar a satisfação desta colheita.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Marca de Mulher - parte I

A importância da mulher trabalhadora

“As mulheres não são passivas nem submissas. Elas estão presentes aqui
e além. Elas são diferentes. Elas se afirmam por outras palavras,
outros gestos. Na cidade, na própria fábrica, elas têm outras práticas
cotidianas, formas concretas de resistência – à hierarquia, à
disciplina – que derrotam a racionalidade do poder enxertadas sobre
seu uso próprio do tempo e do espaço. Elas traçam um caminho que é
preciso reencontrar. Uma história outra. Uma outra história”.
Michelle Perrot

As mulheres de São Caetano do Sul tiveram uma participação fundamental
na construção da cidade.

A história demonstra que o sexo feminino possuía algumas obrigatoriedades, como conviver com os afazeres domésticos e ainda trabalhar arduamente nas fábricas que marcaram território na formação da cidade (Indústrias Reunidas Matarazzo, Cerâmica São Caetano e CBC Cartuchos).


O reconhecimento dessas mulheres era mínimo em relação a participação
do homem na sociedade, muitas não eram assalariadas, não tinham
propriedade e acesso a cidadania política. , nem por isso a mulher
sulsancaetanense deixaram de ser a base da família, mães protetoras, mulheres atenciosas e afetivas com a comunidade.


Precisamos organizar fóruns de discussões sobre a mulher
trabalhadora e estimular a sua participação na totalidade política em
relação os rumos da cidade de São Caetano do Sul e da região, em especial no replanejamento urbano e
ambiental (recursos hídricos e destinação dos resíduos sólidos das
empresas), articulando e atuando ativamente nas políticas públicas
voltadas à promoção do trabalho com geração de renda e melhoria da
qualidade de vida.


Nós mulheres sabemos da importância da qualidade do ensino
nas escolas públicas e a formação dos seus filhos para o mercado de
trabalho. Sabemos ainda da importância da valorização dos profissionais
envolvidos na área da educação e a necessidade de ampliação do ensino
médio e técnico, não se esquecendo das condições necessárias
para inclusão de portadores de necessidades especiais nas unidades de
ensino e mercado de trabalho.

Oportunizar políticas de segurança pública voltadas aos direitos de
cidadania de crianças e adolescentes, é agregar a construção de uma
cultura de paz, em especial quando se trata da inserção dos jovens em
atividades educacionais, empreendedoras, esportivas, de lazer e
qualificação profissional.

Educação também é válida para o Trânsito, e devem ser intensificadas em campanhas para restringir o uso de bebidas alcoólicas ao condutor, preservando a vida e reduzindo as infrações de trânsito.

As mulheres trabalhadoras sabem que atualmente são cobrados tributos
indevidos do Imposto Predial Territorial Urbano, mais conhecido como
IPTU. Por isso precisamos estimular a criação do IPTU Verde,
oferecendo desconto nas taxas, estimulando a criação e manutenção de
áreas verdes e demais taxas que prejudiquem as pequenas empresas.

Sem contar que a Câmara Municipal de São Caetano do Sul não
possui uma Tribuna Livre, inibindo assim a participação dos Movimentos Sociais, representantes de bairros e entidades sociais e categorias profissionais, que precisam contribuir nas decisões do poder público e nas
diretrizes do município.

As audiências públicas devem apontar e justificar as mudanças que serão realizadas, em prol do desenvolvimento social sustentável da nossa cidade; projetos que geram impacto sob a vida dos
munícipes precisam ser repassados a comunidade pessoalmente e/ou
através da internet, antes de serem aprovados pela Câmara e colocados em prática, para legitimar os gastos públicos em serviços que venham de acordo com as demandas dos bairros/cidade.

Essas são as principais propostas que nós, MULHERES, exigimos para que a cidade de São Caetano do Sul
legitime a participação social, previlegiando a participação
das mulheres que SEMPRE FIZERAM ACONTECER,

Deixo aqui registrada a minha homenagem ao modelo de mulher empreendedora;minha sincera admiração e respeito a prof Olga Mollinari, 1a vereadora eleita SCSul, liderança do movimento autonomista da nossa cidade.


sábado, 4 de dezembro de 2010

O HOMEM e a SOCIEDADE


Artigo I – “Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas as outras com espírito de fraternidade.”

Declaração Universal dos Direitos Humanos

De um modo geral, todos os artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos sinalizam uma profunda reflexão sobre os ideais comuns a serem atingidos por todos os povos e nações.

Segundo Sidney Oliveira, autor do livro “Geração Y”, estamos conhecendo o surgimento de uma nova era, que se estabelece em tempo menor. Percebemos estas mudanças quando avaliamos a história da humanidade.

No inicio do século passado o país considerado mais rico e com melhor padrão de vida para seus habitantes foi a Inglaterra porque possuía o melhor sistema educacional e força militar mais fortes do mundo. No decorrer de 100 anos esta “indicação” foi gradualmente transferida para os Estados Unidos, considerando que a globalização da economia dos últimos anos distribuiu este “conceito” entre as novas forças “adormecidas ou bloqueadas” no período pós-guerra. Estes paises esqueceram que os paises orientais, Índia e principalmente a China, concentravam 33% da população, da “força humana” mundial que altera completamente o cenário atual.

O autor analisa a conjuntura e divide a História da Humanidade em “Eras”:

· Era da Agricultura ( até 1776 )

O principal valor atribuído ao ser humano neste periodo estava associado a posse de terras: os nobre reis comandavam os interesses das pessoas ( época de Hobin Hood ). Período de grandes revoluções políticas, principalmente na França e Estados Unidos.

· Era do Artesanato ( até 1860 )

Aconteceram vários movimentos culturais no período de transição entre essas duas eras, muito presentes durante as revoluções. Suas características ficaram mais acentuadas com o movimento de libertação dos escravos promovidos em diversos paises. As pessoas começaram a perceber que era difícil associar o valor de uma pessoa unicamente á posse de um território. A condição de “MAIOR VALOR” migrou para a “FORÇA DE TRABALHO”.

· Era da Revolução Industrial ( até 1970 )

Foi um tempo de muitas transformações causados pelos movimentos sociais: as inovações e avanços tecnológicos, associados aos novos modelos de organização do trabalho, a grande depressão da economia mundial e as duas grandes guerras mundiais, promoveram a transição “ da força/valor do trabalho para a POSSE do CAPITAL“. Os paises deixaram de se basear em um bem tangível como o Ouro e passaram a se apoiar no “dólar americano”, uma moeda com valor intangível, sujeita as variações cambiais de cada país.

· Final do século 20

A velocidade e a sofisticação das transações comerciais internacionais associadas a aceleração do crescimento populacional promoveram avanços tecnológicos e tornaram-se expressivos: a INFORMAÇÃO tornou-se VIRTUAL e INTANGIVEL , o PRINCIPAL VALOR QUE UMA PESSOA PODERIA POSSUIR.

· Era do CONHECIMENTO ( até 2000 )

- “ A informação passou a ser o único valor de fato “;

– “ ABSORVEU OS VALORES DAS ERAS ANTERIORES”.

Ex.: O capital representado pelo saldo financeiro em um extrato de conta bancária; a posse de um terreno registrado em uma escritura de cartório; a qualificação para o trabalho expressa por um certificado ou diploma.

· Era das CONEXÕES ( ATUAL - a partir de 2000 )

O valor da Informação foi “alterado”. Hoje o principal valor está associado “as pessoas que possuem relacionamentos”.

Toda a tecnologia do crescimento dos meios de comunicação, sobretudo telefonia e Internet são acessíveis; as pessoas podem ter acesso as informações por meio de mecanismos de pesquisas ( GOOGLE, emails, MSN, rede de relacionamentos – orkut, faceboock,etc ). Tornou-se difícil identificar o que é certo ou errado porque direciona decisões e escolhas; experiências felizes ou infelizes de relacionamentos que confundem as pessoas e provocam reações diversas.

O autor destaca que chegamos ao tempo em que conhecer a pessoa certa, na hora certa com aquilo que Vc precisa, “não tem preço”.

As mudanças geralmente provocaram algum tipo de reação e ou sentimentos de insegurança causadas pelas incertezas geradas pela ruptura das rotinas e do estado de conforto.

Negar a manutenção da mudança significa que não queremos abrir mão das pequenas conquistas, sacrifícios e ou escolhas que nos permitiram alcançar um grau de estabilidade aceitável.

É durante o processo de resistência que apresentamos nossos argumentos para que haja as Mudanças necessárias, debates e trocas de opiniões e experiências são necessários para que esta Nova Idéia seja melhorada, ampliada e otimizada e desta forma enxergar com mais amplitude os cenários futuros.

Quando ampliamos a nossa consciência sobre as novas realidades as reações começam a ser mais favoráveis: sair da resistência e começamos a nos preparar por meio da exploração dos fatos, abertos para todas as possibilidades: custos, benefícios, dificuldades e desafios deste novo cenário. É necessário o “envolvimento” de todos os que serão afetados pelas alterações do cenário.

Sendo assim, o atual cenário aponta que nós, educadores, estamos diante de um grande desafio: o que fazer numa sociedade tão embrenhada em “des-valores ou valores mesquinhos”, como o consumismo, a violência, a busca por levar vantagem em tudo, a desonestidade; enfim, como podemos agir de forma transformadora?

De um modo geral os profissionais não consideram “ a identidade” das cidades onde atuam, das regiões específicas onde vivem as pessoas, a dinâmica tecnológica e a história comunitária, onde se criam as crianças e os jovens.

É preciso destacar algumas frases do grande educador e pensador brasileiro do século passado que, de forma clara, concisa e sutil sinaliza uma resposta viável: a Educação. Segundo Paulo Freire,

“... somos seres condicionados, mas não determinados (...) A História é tempo de possibilidade e não de determinismo (...) o futuro é problemático e não inexorável (...) mais do que um ser no mundo, o ser humano se tornou uma Presença no mundo, com o mundo e com os outros. Presença que, reconhecendo a outra presença como um não-eu´ se reconhece como ´si própria´. Presença que se pensa a si mesma, que se sabe presença, que intervém, que transforma, que fala do que faz mas também do que sonha, que constata, compara, avalia, valora, que decide, que rompe. E é no domínio da decisão, da avaliação, da liberdade, da ruptura, da opção, que se instaura a necessidade da ética e se impõe a responsabilidade.”

( Paulo Freire, Pedagogia da Autonomia, 1996)



“Agora me parece que o homem não está só. Em suas mãos elaborou como se fora um duro pão, esperança, a terrestre esperança.”

Pablo Neruda

As palavras deste poeta “também” precisam ser incorporadas em nossa vida cotidiana. Precisamos construir uma “prática profissional” movida pela Esperança, audácia, criatividade e respeito a pessoa humana, multiplicando valores éticos e desta forma manter vivos o debate e a luta pelo respeito a vida. O objetivo de cada individuo e de cada órgão da sociedade é se esforçar, através do ensino e da educação continuada e promover o respeito a esses direitos e liberdades para assegurar o seu reconhecimento e a sua observância universal através da adoção de medidas progressivas de caráter nacional e internacional.

Esse processo é “uma longa caminhada”, pois trata-se da desmistificação e aprofundamento das questões ligadas a Cidadania e aos Direitos Humanos. O papel da Universidade e da sua docência é fundamental para a transmissão destes valores, para uma educação permanente e persistente no sentido de validar uma cultura comprometida com os valores da vida, base para o fortalecimento dos pilares Éticos, de uma sociedade mais justa.

Essa “ troca de energia " é um novo tipo de capital, o chamado "CAPITAL SOCIAL". Precisamos formar este CAPITAL SOCIAL e ter "perseverança", fazer a nossa parte para que este processo “adquira sua própria dinâmica”.

É com estas afirmações que desejo contribuir para a construção de uma educação para a vida, cidadania, trabalho e participação. Através desta oportunidade fazer “parte deste empreendimento e contribuir neste processo de Mudança de Valores” e promover uma formação acadêmica baseada no desenvolvimento humano e social sustentável.

Talvez seja este o aprendizado mais difícil: manter o movimento permanente , a renovação constante, a vida vivida como caminho e mudança “.

MARIA HELENA KUHNER

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

"MENTES MODERNAS"

Viver ou juntar dinheiro – Max Gehringer

Viver ou juntar dinheiro?

Há determinadas mensagens que, de tão interessante, não precisam nem sequer de comentários. Como esta que recebi recentemente. Li em uma revista um artigo no qual jovens executivos davam receitas simples e práticas para qualquer um ficar rico. Aprendi, por exemplo, que se tivesse simplesmente deixado de tomar um cafezinho por dia, nos últimos quarenta anos, teria economizado 30mil reais.

Se tivesse deixado de comer uma pizza por mês, 12 mil reais. E assim por diante. Impressionado, peguei um papel e comecei a fazer contas. Para minha surpresa, descobri que hoje poderia estar milionário. Bastaria não ter tomado as caipirinhas que tomei, não ter feito muitas viagens que fiz, não ter comprado algumas das roupas caras que comprei.

Principalmente, não ter desperdiçado meu dinheiro em itens supérfluos e descartáveis. Ao concluir os cálculos, percebi que hoje poderia ter quase 500 mil reais na minha conta bancária. É claro que não tenho este dinheiro. Mas, se tivesse, sabe o que este dinheiro me permitiria fazer? Viajar, comprar roupas caras, me esbaldar em itens supérfluos e descartáveis, comer todas as pizzas que quisesse e tomar cafezinhos à vontade.

Por isso, me sinto muito feliz em ser pobre. Gastei meu dinheiro por prazer e com prazer. E recomendo aos jovens e brilhantes executivos que façam a mesma coisa que fiz. Caso contrário, chegarão aos 61 anos com uma montanha de dinheiro, mas sem ter vivido a vida.

“Não eduque seu filho para ser rico, eduque-o para ser feliz. Assim ele saberá o VALOR das coisas e não o seu PREÇO”

Que tal um cafezinho?


Max Gehringer


"Ah, se o mundo fosse assim tão simples, beirando o simplismo, como parece pensar o velho Max.

Mas, claro, ele tem razão. É verdade.
Para que juntar dinheiro para uma velhice digna, independente e segura, não é mesmo?

Afinal, como somos jovens, podemos nos dar ao luxo de perguntar: Quem precisaria de dignidade depois dos 61?

Por que se preocupar, não? Afinal, a saúde pública no Brasil é tão boa quanto a da Suécia.

E não é para isso que servem os filhos? É claro que eles não têm direito à tranquila independência!

Terão obrigação de cuidar de nós, dependentes velhos e doentes, e ainda por cima, pobres.
Quem se importa? Pelo menos estaremos felizes porque gastamos bem nosso dinheiro, para fazer as coisas mais importantes da vida: “Viajar, comprar roupas caras, nos esbaldar em itens supérfluos e descartáveis…”.

Ora, permito-me discordar do velho Max.
Infelizmente as coisas são bem mais complexas… E, dentre os itens que compõem o pacote da felicidade, para muitos, como eu, figuram itens como: preocupação para com os demais, segurança, manutenção de independência ante circunstâncias adversas (redução de mobilidade, impedimentos decorrentes de AVC, etc), paz de espírito, a confiança de ter feito a coisa certa, e de viver para além do mero epicurismo dos rasos de espírito.

Não apenas nas cigarras, há sabedoria nas formigas e abelhas: um espírito gregário que tanta falta faz nesses tempos de individualismo egoista e raso espontaneísmo.

Permito-me celebrar as tão fora de moda virtudes da previdência e da prudência, plenamente ciente de que um dia hão de florir de novo nas pradarias."

Vale a pena ler conferir este e outros comentários sobre este artigo:

http://www.mentesmodernas.com.br/viver-ou-juntar-dinheiro-max-gehringer.html

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Como tornar a nossa prática "desejante"






"Só quem deseja fortemente identifica os elementos necessários á realização de sua vontade"

Antonio Gramsci



Incorporei este pensamento na época da minha formação acadêmica.

Tive a sorte e a honra de conhecer a prática profissional e trabalhar ao lado destas " grandes mulheres":

  • Mercedez Ciwinsky, formada na FAPPS/SCS, ex-professora desta instituição, da qual também fui aluna periodo de 1996 a 2001, ex- secretária de ação social da prefeitura municipal de Santo André, gestão Celso Daniel, consultora e pesquisadora IEE/PUC SP, foi a minha inspiração, o meu primeiro contato com a atuação profissional do assistente social em comunidade;
  • Miriam Belckior, mulher guerreira, ex-secretaria de planejamento da prefeitura municipal de Santo André, gestão Celso Daniel, braço direito do presidente Lula, responsável pelo PAC, foi nomeada Ministra do Planejamento do Governo Dilma Rousseff.


Estes exemplos de Fé, garra e persistência tornam a nossa prática " mais desejante":


" Tornar a prática mais desejante...
Desejo é vida, é expressão da vitalidade, de movimento... é componente fundamental da prática.

Se não produzirmos uma prática desejante, quem desejará?

Quem procurará aproxirmar-se de um profissional que não coloca vida em suas ações?"

Maria Lúcia Martinelli/2001

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

"Minhas reflexões"




“ O Futuro não é um presente, é uma conquista”

Harry Lauder

Todos os dias, ao despertar, agradeço a Deus por ter a oportunidade de ser feliz e lutar por tudo que acredito. Hoje estou inspirada e resolvi fazer uma reflexão especial. O livro “ Os donos do Futuro”, de Roberto Shinyashiki aponta valores fundamentais. Segundo o autor o sucesso se torna importante quando Vc sente a sensação de amor dentro de si; quando se dá o respeito e se percebe realizando uma missão.

Para Shinyashiki o Ser Humano pode crescer, fazer com que a sua vida seja melhor, construir sua felicidade, sem esquecer seus princípios:

“Sabedoria é ser dono do sentido que se dá aos acontecimentos.

Maturidade é o que se aprende com esses sentimentos.

Sucesso é conseguir o que Vc quer.

Felicidade é conquistar o que Vc precisa.

A vitória é conseqüência de uma atitude produtiva diante da vida.

Os donos do futuro aprendem com suas experiências de vida.”

Russell dizia “ Para que repetir os erros antigos quando há tantos erros novos a cometer”.

O trabalho é o principal caminho para a realização pessoal, porém ganhar dinheiro nem sempre proporciona uma realização. Por meio do trabalho podemos reivindicar respeito, algo que dá sentido a vida e a certeza de que está fazendo e construindo algo bom para a sua vida e para a sociedade.

Ninguém é de ninguém”. É maravilhoso usufruir da liberdade de expressão, do direito de ir e de vir. Ser livre e Feliz!!